snowstorm

quarta-feira, 6 de junho de 2012

NOSSA GALÁXIA COLIDIRÁ COM OUTRA EM 4 BILHÕES DE ANOS, DIZ NASA

imagem internet

Nossa galáxia está em rota de colisão com sua vizinha mais próxima, Andrômeda, e o choque está previsto para ocorrer em 4 bilhões de anos, anunciou nesta última quinta-feira ( 31/maio ) a agência espacial americana. 

Etapa 1

Os astrônomos levaram anos teorizando sobre uma possível colisão entre as duas enormes galáxias, embora não se saiba a gravidade do impacto, com previsões que variavam de três a seis milhões de anos.
Etapa 2
 
Mas, depois de anos de "observações extraordinariamente precisas" do telescópio Hubble, da Nasa, que acompanhou a movimentação de Andrômeda, "se dissipa toda a dúvida de que está destinada a colidir e se fundir com a Via Láctea", reportou a Nasa em um comunicado. "Levará milhões de anos antes que ocorra o impacto", destacou.
Etapa 3
Após o impacto inicial, levará outros dois bilhões de anos para "que se fundam completamente sob a força da gravidade e que tomem a forma de uma galáxia única elíptica, similar às que são comumente vistas no universo", acrescentou a agência espacial.
 
Etapa 4
As estrelas dentro de cada galáxia se encontram tão distantes umas das outras que não se acredita que possam se chocar entre si, mas é possível que as estrelas "sejam lançadas a uma órbita diferente ao redor do novo centro galáctico".

 
Etapa 5
 
Os cientistas sabiam há tempos que Andrômeda, também conhecida como M31, se move na direção da Via Láctea a uma velocidade de 402 mil km por hora, rápido o suficiente para viajar da Terra à Lua em uma hora.

 

 Vista por você na Terra 

 


Mas a natureza da colisão e sua trajetória foram um mistério para os cientistas durante mais de cem anos, até que foram analisados os últimos resultados do Hubble.


   

Imagem mostra como ocorreria a colisão da Via Láctea com a Galáxia de Andrômeda  
foto: Nasa/Divulgação.

Visão do Espaço

Angulo 1 


Angulo 2

Estes "foram obtidos observando repetidamente regiões específicas da galáxia, em um período entre cinco e sete anos", disse Jay Anderson, do Space Telescope Science Institute, em Baltimore.


Simulação


Animação de John Dubinski, Universidade de Toronto.



fonte /sites
noticias.terra.com.br
   zenite.nu
hubblesite.org
cita.utoronto.ca